quarta-feira, 12 de julho de 2017

"Costa Não Foi Feito Para Isto. Nem Feito Nem Eleito, Recorde-se"


Peixinho de aquário
António Costa não acredita em nada. A bajulação mediática que em Portugal passa por “comentário político” costuma transformar este vazio amoral numa virtude celestial, “génio político”, “inteligência tática”. Lamento, mas não é inteligência tática, é só a mais completa inexistência de convicções. Os cínicos como Costa são os seres mais flexíveis da Criação, porque não têm um centro moral; são feitos de uma pasta viscosa e escorregadia que se adapta a gregos e a troianos. O cínico pode assim desenvolver um discurso liberal de manhã, almoçar com comunistas e fazer promessas socialistas à tarde. Há dias, nas Américas, Costa parecia um libertário a defender os benefícios da globalização. Estamos a falar do homem que, quando necessário, recorre às linguagens e às políticas do PCP e BE.
Costa fez campanha contra a austeridade e a favor de uma nova política assente no consumo interno. Perdeu as eleições. Para sobreviver, fez a negociata mais oportunista da nossa história democrática, rasgando pelo meio décadas de regras não escritas. Quando chegou ao poder, manteve a política de Passos (exportações) e reforçou a austeridade. Sim, devolveu partes dos salários aos funcionários públicos, mas, em troca, impôs a austeridade mais rígida de sempre ao nível do investimento público e dos gastos intermédios do Estado. Ou seja, os funcionários recebem mais dinheiro, mas, quando chegam aos seus postos de trabalho, não têm meios para fazer o seu trabalho. Não havia material no centro de saúde de Castanheira de Pera, não havia câmaras e redes em Tancos, etc., etc. Na política normal do dia a dia, esta fórmula cínica estava a funcionar em benefício do próprio Costa: a devolução de rendimentos mantinha clientelas eleitorais satisfeitas, apesar da evidente degradação dos serviços. Só que acontecem sempre imprevistos e tragédias, como Pedrógão e Tancos. Estes dois episódios minaram por completo a relação de confiança hobbesiana entre os cidadãos e o Estado. Se as pessoas continuarem a sentir que não têm segurança, não há devolução de rendimentos que valha a Costa. Manter a sociedade acima do medo é a primeira tarefa do Governo. E a Costa está a falhar miseravelmente nessa tarefa.
Quando foi forçado a sair do aquário lisboeta, Costa mostrou que não tem fibra de líder, só transmitiu insegurança. Para agravar essa sensação de desnorte e fraqueza, meteu férias como se fosse o António, cidadão privado, e não o António Costa, primeiro-ministro de um país a sofrer uma inédita falha na estrutura hobbesiana. O Ministério da Administração Interna e o Exército parecem sacos de gatos corporativos, o país está com medo e envergonhado perante os parceiros da NATO, mas Costa desertou para Palma de Maiorca. Lembra uma reportagem que passou há anos na SIC. A cena é assim: na rotunda do Marquês, o edil Costa inaugura uma obra, mas alguém aponta para um defeito óbvio; sentindo o embaraço, Costa vira costas e deixa a vereadora sozinha. A cena define a cobardia da personagem, mas é desculpável. Já não é desculpável abandonar o país após dois choques como Pedrógão e Tancos. Costa não foi feito para isto. Nem feito nem eleito, recorde-se. 
Henrique Raposo
EXPRESSO, 8 de julho 07

quarta-feira, 5 de julho de 2017

Fake News


"Uniformizámos o calendário, já a partir do próximo ano, do pré-escolar e do primeiro ciclo para permitir que os professores do primeiro ciclo e os educadores do pré-escolar tenham tempos comuns para planificação do seu trabalho

Treta João!
Não sejas pateta. O calendário foi um baixar de calças aos sindicatos dos educadores, que tinham apenas dois meses de férias no verão e agora ficam com dois meses e meio com têm os professores do primeiro ciclo. O calendário está feito para os educadores trabalharem menos e não para trabalharem mais como estás para aí a dizer.

O Povo Tem Sempre o Governo Que Merece. Não Tivemos Azar Com o Incêndio, Nem Com o Roubo, Tivemos Foi Sorte Com a Economia


"com este governo e esta maioria, o Estado não é capaz de proteger a vida dos cidadãos ou de manter o seu material de guerra a salvo de criminosos, ou até de organizar uma prova escolar sem fugas de informação, mas consegue “devolver rendimentos” aos seus dependentes e ainda criar expectativas a mais de 20 mil “precários”.


terça-feira, 27 de junho de 2017

Um Governo Que Cultiva nos Jovens a Exigência, o Esforço e o Mérito. Poucochinho.

Despacho 5296/2017 de 16 de junho


As bolsas de mérito eram apoios financeiros que o estado concedia aos alunos que obtivessem bons resultados escolares e beneficiassem, da ação social escolar. 
Os alunos tinham de obter média igual ou superior a 4 no básico e a 14 no secundário.
Para o ano que vem, basta um suficiente. O subsídio vai abranger os portugueses com ação social escolar e que tenham resultados assim-assim; 3,5 no básico e 13,5 no secundário.
Com um suf+ já se tem subsídio de mérito escolar. 
Isto nada tem a ver com eleições em outubro.